quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Resenha: A menina submersa


Hi, trago a vcs mais uma resenha, um livro muito pft,
li todo em uma unica tarde e super recomendo espero que gostem.....


Sei la ele fica pft em fofos.....
Título: A Menina Submersa
Autor (a): Caitlín R. Kiernan 
Páginas: 320.
Editora: DarkSide® Books
Nota: 4/5
CompreSaraiva | Submarino | Americanas |Amazon | Fnac

 'A Menina Submersa - Memórias' é um verdadeiro conto de fadas, uma história de fantasmas habitada por sereias e licantropos. Mas antes de tudo uma grande história de amor construída como um quebra-cabeça pós-moderno, uma viagem através do labirinto de uma crescente doença mental. Um romance repleto de camadas, mitos e mistério, beleza e horror, em um fluxo de arquétipos que desafiam a primazia do 'real' sobre o 'verdadeiro' e resultam em uma das mais poderosas fantasias dark dos últimos anos. Considerado uma 'obra-prima do terror' da nova geração, o romance é repleto de elementos de realismo mágico e foi indicado a mais de cinco prêmios de literatura fantástica, e vencedor do importante Bram Stoker Awards 2013. A autora se aproxima de grandes nomes como Edgar Allan Poe e HP Lovecraft, que enxergaram o terror em um universo simples e trivial - na rua ao lado ou nas plácidas águas escuras do rio que passa perto de casa -, e sabem que o medo real nos habita. O romance evoca também as obras de Lewis Carrol, Emily Dickinson e a Ofélia, de Hamlet, clássica peça de Shakespeare, além de referências diretas a artistas mulheres que deram um fim trágico à sua existência, como a escritora Virginia Woolf.

Oi, minha gente, tudo bom né? 

Bem, a resenha de hoje trata de um livro muito lindo, tanto por fora quanto por dentro hehe, e traz a história da vida de India Morgan Phelps, ou para os mais íntimos, só Imp. Mas não é uma vida comum essa que Imp tem, porque ela é assombrada, não por fantasmas comuns, mas por fantasmas de sereias e lobisomens. Fantasmas que vão além da acepção da palavra, como Imp explica:

Essa é uma característica dos fantasmas, uma característica muito importante: você tem de tomar cuidado porque assombrações são contagiosas. As assombrações são memes, em particular, transmissões de ideias perniciosas, doenças contagiosas que não precisam de hospedeiro viral nem bacteriano e são transmitidas de milhares de modos diferentes. Pág. 23

Confesso que demorei pra começar a leitura porque sou uma pessoa medrosa, e as resenhas que eu via sobre esse livro eram muito "sombrias", e só quero falar pra vocês que eu me enganei, porque essa história se metamorfoseia em muitos gêneros, ao passo que você compreende a "loucura" que assombra a nossa querida personagem.

Nesse sentido, quero dizer que entendi tudo que Imp fez e porquê ela fez, não que eu ache que todas as decisões foram maravilhosas, não é isso, mas que durante esse "mar de alucinações", ela se mostrou forte e em vários momentos, muito racional. Porque ela tinha um jeito de ver o mundo que me conquistou, Imp era uma pessoa de detalhes, de olhares e sensações singulares. Uma pessoa, que a primeira vista parece simples, mas que é completamente incompreendida. Ela vê o que sente, e escreve o que pensa antes que aquilo se perca, ela pinta o que escreve pra tornar tudo aquilo real.

A vida de Imp é um ciclo vicioso de acontecimentos transfigurados, ela não sabe o que é exatamente real, mesmo que viva na "realidade", tenha um emprego, uma casa e amigos, e também uma namorada.
Uma namorada muito cool e descoladíssima por sinal, e é quando Abalyn aparece na vida de Imp naquela manhã nublada que tudo muda, e os pensamentos que assombravam apenas a mente de Imp, se tornam "sólidos" e circulam entre nós. uuuuul medinho!

Uma pausa importante para Imp e Abalyn que são duas fofas, e eu fiquei extremamente tocada pelo relacionamento das duas. A forma como Abalyn ajuda Imp e cuida dela. Como elas se entendem e como tudo funciona, mesmo que o relacionamento pareça complicado, mesmo que as duas tenham milhões de traumas, fantasmas e problemas. Porque elas superam tudo juntas, e esse livro não seria o mesmo sem Abalyn.
Tudo que queria dizer era que ela não devia se preocupar, que às vezes eu meto uma coisa na cabeça; mas que, no fim, ela passa. Pág. 126

Mais uma pausa para Dra. Olgivy ( psiquiatra de Imp) e sua coleção de insetos.
Outra coisa que eu esqueci de dizer, o livro é escrito por Imp, mas não vá pensando que a leitura é em primeira pessoa, porque Imp discute constantemente consigo mesma tentando descobrir qual dos seus alter-egos tem razão.
E é através dessas discussões que o leitor entra na mente de Imp também, e entende a origem de seus medos e obsessões, entende que antes de qualquer coisa, Imp é assombrada por uma esquizofrenia hereditária, que passou de avó pra mãe, e de mãe pra filha. E que tanto sua avó quanto sua mãe escolheram a morte como forma de vencer os fantasmas. E Imp vai buscar sua própria forma de combater os fantasmas ou aprender a viver com eles.
 Dizem que o quadro que dá nome ao livro "A menina Submersa" é o que desencadeia a loucura de Imp, eu não acredito nisso. O quadro é a gota d'água.
Na minha opinião como leitora, tudo que Imp vive/viveu culmina/culminou na história que originou o livro, tanto a história das sereias, como a dos lobos, como a esquizofrenia e as mortes, preconceitos e abandonos, mentiras, manias, memórias e uma imaginação que é criativa demais pra viver dentro de um ser humano.

Não vejo muita resolução no mundo; nascemos, vivemos e morremos, e no fim disso há somente uma confusão feia de negócios inacabados. Pág. 172

Um livro que é sombrio não porque fala de fantasmas, mas porque desperta nossos próprios fantasmas quando toca lá no fundo de nossa mente, mostrando nossos medos e porque não conseguimos enfrentá-los.

Uma coisa que comecei a entender sobre as verdadeiras histórias de fantasmas é que raramente sabemos que elas estão acontecendo conosco até depois do fato, quando somos assombrados e os eventos da história propriamente dita já aconteceram e acabaram. Pág. 56





Como vocês podem ver, eu fiz inúmeras marcações nesse livro, que é de uma escrita magnífica. A autora é sensacional, e o modo como ela escreve nos faz sentir como se estivéssemos dentro da mente de Imp também. O livro não tem uma narrativa lógica, nem cronológica, pois Imp ordena os pensamentos conforme eles aparecem.

Começo a imaginar a orquestração onde antes eu ouvia apenas uma cacofonia de coisas aleatórias. Gente louca faz isso o tempo todo, a menos que você caia nessa ideia de que todos temos a capacidade de perceber a ordem e a conotação de modos bloqueados para as mentes das pessoas "lúcidas". Pág.: 65

Se eu pudesse guardava esse livro dentro de uma redoma de vidro, porque ele é um achado. É uma história, um ensinamento do mundo, e tem uma estética incrivelmente maravilhosa. O cuidado da editora foi sem tamanho. As laterais são rosas e as páginas amareladas, parece realmente que tudo aquilo foi datilografado por Imp, e eu quero acreditar que sim.


Queria poder falar ainda mais, mas esse livro é assim, deixa a gente sem palavras e com muitos pensamentos.

Dei 4 estrelas, porque eu queria mais livro, mais texto, mais tudo. Por favor, leiam esse livro, com certeza, vale o investimento. Sério!!

(e por último, o livro tem um apêndice interessantíssimo pra quem se interessar pela história da autora e seu processo de escrita, e também sobre os artefatos e contos presentes no livro).

Espero que tenham gostado beijinhos de morango

2 comentários:

  1. é um livro pft, estou atras dele a semanas porem está em falta no estoque, vou ver se o encontro na feira do livro.... quem sabe neh

    kissus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nossa fofa, talvez vc encontre eu quando comprei achei assim em uma feira de livros pq tbm estava em falta...

      beijos

      Excluir